domingo, 1 de março de 2009

ESTAMOS PASSANDO POR REFOMULAÇÕES, NOVIDADES EM BREVE.

domingo, 8 de fevereiro de 2009

A estética deformada


video

Loiras siliconadas. Morenas saradas. Mulheres magérrimas. Basta ligarmos os nossos televisores, ou olharmos outdoors nas ruas, notamos a dominação destes estereótipos femininos. Nossa sociedade cresceu acompanhando as determinações de certos padrões de beleza, e hoje está difícil reverter.
Desde o longínquo surgimento da Cultura de uma sociedade, as civilizações primam por um misto de beleza e valores. Os chineses consideram belo aquilo que une a Estética e o Simbolismo. Os gregos, que cultivaram a filosofia, padronizaram o ideal de beleza dos corpos em suas diversas obras de arte. Vênus de Milo, Ares, Ajax, Asclépio e Posêidon, todas estas estátuas representam um ideal de forma física que, para o classicismo Greco-romano, enquadra-se como nenhum outro. Foi de lá, dessa civilização que beira o mar Mediterrâneo, que os homens começaram a valorizar a sua forma e o seu pensar, dando início a uma revolução no viver de até então. Os seus Deuses possuíam a sua forma, as suas virtudes e os seus defeitos. Por causa deles, sabemos hoje que a chuva não é a incrível dádiva de uma determinada divindade, apesar de ser, sim, encarada como fascínio como toda a natureza. O sol nasce e põe-se por conta dos movimentos planetários, e não devido a passagem de algum deus pelos céus. Enfim, possuíam, em sua cultura, a junção de beleza e conhecimento, numa união impecável. Desse modo, os tempos passaram e, por onde quer que a influência latina tenha chegado, muito dessa estética foi incorporada, e também esquecida.
A leitura está emburrecendo o homem moderno. Quem afirmou isso, com extremo embasamento, foi Schopenhauer. O que será que ele quis dizer com isso? Sabemos que a sociedade brasileira mascara, e muito, a paupérrima educação de sua gente. Os índices que apontam o grau de instrução e escolaridade da população são otimistas, mas vemos uma enorme disparidade entre os analfabetos, funcionais ou não, e os que realmente lêem. A leitura liberta, e faz com que pensemos por nós próprios, coisa que os poderosos não querem. Culpa da Ditadura Militar? Também. O povo, tomado por massa de manobra, não pensa por si próprio e, quando acha que pensa, é imbatível. Há de se ser sutil para comandá-los. A televisão consegue isso perfeitamente bem. A essa altura, você, leitor, já deve estar se perguntando o porquê do título conter as palavras que tem. Simples: está mais que visto a exposição que a mulher sofre nos meios de comunicação, a associação de beleza feminino à seios e bumbuns torneados e em forma. Do físico masculino comparar-se a uma escultura de Michelangelo para ser realmente bonito. Anorexia, bulimia, cirurgias plásticas, nomes cada vez mais comuns no nosso cotidiano. O padrão de beleza adotado pela sociedade marginaliza os que não se enquadram. A raça negra é desmoralizada constantemente. Todos os traços que reforçam a identidade da negritude são ocultados. Lábios carnudos, narizes largos, cabelos crespos. Tranças, então: relegados a posição de “penteado de turista”. Belo, hoje, é o que se encaixa num modelo europeu, de gestos e desenhos finos. Mas, quem disse que a beleza é unânime? Todo esse processo reduz a auto-estima feminina de ter um corpo negado pela sociedade. E, repetindo um velho exemplo que os leitores, com certeza, já tiveram chance de presenciarem, são estes de mulheres que saem para o trabalho cedo e, mesmo com pouco tempo, deixam de alimentarem-se para alisarem os seus cabelos. A silhueta então, sofre bastante: os físicos esqueléticos ilustram a mentalidade da beleza no mundo moderno. Ter uns quilos a mais é sentença de morte, onde o purgatório se configura como uma academia.
É importante reiterar toda essa situação e esperamos, de verdade, que outros espaços debatam sobre esse tema, mas nós temos que levar em conta essa outra perspectiva. A nossa falta de visão da vida nos faz limitados e comandados. Dizem-nos o que vestir, o que comer, o que comprar, o que assistir, com quem andar. Se você acha chato os seus pais lhe impondo um comportamento que não quer aceitar, imagina ser comandado por algo que não nos conhece, fruto do sistema. Hoje em dia, enxergam muito mais gente do que indivíduos. As nossas singularidades estão se perdendo. Essa coisa invade as nossas casas e prendem-nos, em presídios mentais, em reproduções reais daquilo que tentou mostrar o filme Matrix. Nós não fazemos nada. Esse monstro invisível muda o nosso jeito de ser, e continuamos sem fazer nada. Quando todos tivermos as cabeças raspadas, nomeados por números e morarmos em campos de concentração, já não poderemos fazer mais nada. Então, liberte-se enquanto você pode e enquanto tem o poder. Nós, que temos um pouco de consciência da dura realidade a nossa volta, podemos mudar. Estamos sim, quem diria, acima de quem nos quer domar e enjaular. Liberte-se, afinal você é mais que um corpinho bonito. Liberte-se.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

O instinto que desenvolve o homem


No mundo animal cada ser tem um “dom” especial, a lebre com a sua agilidade, os leões com a sua força, coragem e liderança, e os golfinhos com a sua astúcia. Com o ser humano não poderia ser diferente. Porém, ao contrário do que muitos pensam, a inteligência não é o maior “dom” do homem. É claro que nos ajuda muito, mas nós não seríamos nada sem a nossa curiosidade. Sem ela, não descobriríamos como dominar o fogo nem procuraríamos entender a natureza.
Todos nós nascemos com este instinto, e é só lembrarmos que todas as crianças passam pela fase dos “por quês”, mas somos reprimidos com respostas grossas que nos deixam traumas e nos impossibilitam de aprimorarmos nossos conhecimentos. Seria mais interessante, para o desenvolvimento da sociedade, que, quando nossos filhos nos perguntassem como eles tinham nascidos, ao invés de respondermos que foi uma cegonha que os trouxe, explicasse alguns passos para se conceber um filho, deixando claro que seja de um modo que a explicação se adapte à faixa etária, atiçando a nossa curiosidade para sempre irmos além. Essa repressão cria uma barreira que nos impossibilita de olhar através da janela que nos mostra o mundo, e não nos deixa suscetíveis a absolver qualquer coisa que nos é informada, criando, assim, um círculo vicioso de alienação que vem aumentando a cada dia que passa.
A alienação acomete a nossa mente de uma forma terrível: ataca a nossa vontade de conhecermos os assuntos e nos informarmos e faz com que o indivíduo se julgue auto-suficiente. Vejamos bem: à medida que um estudante vá se aprofundando em sua leitura, irá se deparar com as mais diversas situações. Um aluno do curso de licenciatura de História, por exemplo, ao estudar o desenvolvimento da religião desde épocas distantes, encontrará fatos referentes a mortes, maus-tratos e outros absurdos sobre a Igreja Católica. O aluno, então, tentará questionar-se sobre o porquê do ocorrido e sempre terá temas para discutir e expor, estimulando a questão para que outros que vierem pela frente façam o mesmo e um dia acabem com isso. O estudante de Geografia lamentará bastante saber que está imerso num sistema financeiro cruel e inescrupuloso, procurando novas formas de atenuar o monstro da ganância. Ambos criando uma situação estável no meio social, adquirindo uma visão realista da vida e percebendo que poucos são os momentos de felicidade plena que o homem tem. Enfim, trabalham para que terminem com situações que deixam a vida infeliz. Aquele que perdeu o senso da curiosidade, inerente ao homem desde o começo dos tempos, verá sua vida resumida a sua rotina, ao seu fim de semana com amigos após uma semana atribulada no trabalho ou com a família. Esse mesmo, alheio ao que há no mundo, tem uma vida muito mais feliz, em uma determinada concepção, porque não possui preocupações como as guerras do Oriente Médio ou as desgraças que varrem a África e seus únicos esforços concentram-se em pagar as contas, divertirem-se e copularem uns com os outros. Resumindo: futilidades.
Quem sabe, depois de você ter lido esse texto, não tenha se identificado com algum exemplo. Não que estejamos chamando você, leitor, de irresponsável e desatento para com a vida. Mas cada um de nós sabe que podíamos fazer sempre mais do que já dizemos fazer. Não se deixe levar pelas seduções baratas dos meios de comunicação. Se interesse, afinal, a vida está acontecendo a nossa volta e não podemos parar.

sábado, 24 de janeiro de 2009

Apresentação

Muitos são os sinais que apontam para uma forte mudança dos tempos. A passagem para o ano de 4707 na China, regido pelo Boi, ou Búfalo. A eleição do primeiro presidente negro, num dos países mais racistas do mundo, para salvar a maior economia global da falência. O Brasil que, há pouco tempo, encontrava-se num mar de dificuldades financeiras devido aos maus administradores de ontem, hoje pensa em adentrar o grupo das 8 nações mais poderosas do mundo, o G-8. Acatando as predições de Jesus, não falta muito para que se cumpra o que disse o maior símbolo do Cristianismo Católico que, supostamente, já pisou á Terra. Não restará “pedra sobre pedra” na terra dos Judeus, e é o que podemos ver acontecendo. Dois povos antagônicos disputando um pequeno pedaço de terra, há centenas de anos, envolvendo moral e religião em seus objetivos. Uma intensa mudança está se desdobrando em nossa época.
Como você, leitor, já entendeu a proposta deste blog, atento para os alheios a vida. Comparamos, na apresentação das nossas idéias, a necessidade de adquirirmos informação útil e conhecimento para observarmos a vida e analisar o bom e o mal, com imparcialidade. A mente é um terreno baldio, que representa a pouca experiência de vida de quando se é bastante jovem. Os primeiros “tijolos” surgem com as primeiras impressões que temos da vida, na família, na escola, nos primeiros sentimentos também. Afeto, carinho, compreensão, amor. Tudo isso também é importante para a construção da personalidade humana. Que será dos jovens que não obtiveram isso de berço? A resposta é simples, mas adentraremos nessa discussão depois. Como estava dizendo, após ter-se alicerçado as primeiras experiências, começa assim o homem a caminhar com seus próprios pés e, a partir daí, a reunir o material para erguer sua casinha. Mansões, casas humildes, modestas, prédios e outras tantas. Isso varia entre o caráter arrojado ou não do indivíduo. Acontece que muitos interpretam errado a idéia de “erguer uma base”. Certos cidadãos resguardam-se em cercas elétricas, muros altíssimos, esquecendo-se do principal: as janelas. Janelas essas nada mais que brechas para interagirmos com o mundo a fora. São assim as representações das mentes “fechadas”, que só possuem uma única diretriz, que não estão aptas para declarar-se, relacionar-se, manter contato, trocar idéias. Tem apenas poucas opiniões e acham-se senhoras da verdade. Paciência, afinal, algum dia todos nós fomos assim. Contamos, acima de tudo, com a sua força quando precisarmos “derrubar” certos muros. Exatamente isso: destruir. Acabaremos com as diferenças raciais, econômicas, culturais e religiosas. Esse espaço, esse pequeno espaço, é para você, que não tem medo de se expor e ainda acredita nos bons valores que nós temos. Não terá chance todas aquelas linhas que nossos antepassados impuseram sobre os mapas, dividindo os territórios, afinal, fazemos parte de uma única e grandiosa raça: seres-humanos.